sexta-feira, 31 de julho de 2009

Meu corpo não me obedece...

Eu hoje acordei com muita dor de cabeça. Tenho vivido com dores de cabeça que não me largam. Mas hoje acordei bombando. Fui aferir a pressão e choquei: acordei com 15 por 10! imagine acordar desse jeito. Das duas uma, ou meu espírito anda fazendo maratona durante o sono ou realmente eu estou hipertensa com picos noturnos...
Bom, tenho que tomar vergonha na cara e encarar de frente que os anos estão passando e que meu corpo está a sofrer alterações.
A cabeça muda e é muito gratificante perceber que a maturidade nos torna mais eficientes para dar conta dos problemas, gerenciarmos emoções, calcularmos os riscos antecipados de empreitadas enormes, comemorarmos os ganhos com a experiência. Mas o corpo também muda e não queremos admitir que é exatamente o oposto. Pernas já não correm com a mesma eficiência e no meu caso, joelhos já não sobem escadas com a mesma lubrificação de cartilagens (é, falta um líquido sei-lá-o-nome) e meus ligamentos estão parecendo peças enferrujadas. A cada dia percebo que sou mais dependente dos óculos. Minha coluna queima sempre a partir das 18hs. E agora essa dor de cabeça infernal que não me larga.
E ainda tem as doenças psicológicas da maturidade! tipo: síndrome do 'estou-envelhecendo-e-isso-não-me-cabe-mais...'
É uma síndrome que acomete mulheres depois dos 35, e aí nos vemos obrigadas a mudar o estilo das nossas roupas, deixar de frequentar lugares muitos jovens e 'ficar' com gente jovem, com medo de ser ridícula. Aliás, as mulheres que hoje tem 38, 40, 45, não sabem nem dizer que ficaram... se acham velhas para ficar.
Eu tô com essa síndrome desde os 33. Também pudera, foi o ano em que me tornei mãe e não ficava bem, uma prof de universidade, mãe de família, dando uma de menininha por aí (apesar dos amigos afirmarem que continuo com cara de trinta e poucos (eles são muito bonzinhos)...

Ou ainda a síndrome do 'vou ficar quieta, que passa'. Essa é uma doença psicossomática por conta das alterações do corpo. Então a mente começa a agir de forma a neutralizar os efeitos da idade sobre o corpo e acha que deve-se mudar o ritmo para que o corpo não sinta tanto. Eu vivo isso. trabalho feito uma condenada de segunda a sexta. Aí na sexta, parecendo até que guardo o sétimo dia, feito os judeus, não quero fazer nada até 17hs de sábado. É como se minha energia tivesse descarregado... e talvez tenha sido mesmo. Sabe essas doenças que passam a fazer parte da gente????

2 comentários:

Igor M. disse...

Tava procurando no google uma solução praqueles casos em que por mais que sua mente saiba tudo que deve ser feito, o corpo não obedece, e dei de cara com este texto!! hehehe
De quebra ainda vasculhei o blog e achei tudo muito interessante!!
Não sei como esse blog ainda não tinha seguidores, hehehe! Vou ser o primeiro! Meus parabéns!

Igor M. disse...

Tava procurando no google uma solução praqueles casos em que por mais que sua mente saiba tudo que deve ser feito, o corpo não obedece, e dei de cara com este texto!! hehehe
De quebra ainda vasculhei o blog e achei tudo muito interessante!!
Não sei como esse blog ainda não tinha seguidores, hehehe! Vou ser o primeiro! Meus parabéns!