segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Pessoa especial

Eu conheci uma pessoa muito especial. No início não havia sequer um plano ou promessa. Não havia expectativa alguma. Havia apenas uma sensação de bem estar, que eu imaginava que esgotaria rapidamente. Não foi isso que aconteceu. Então vieram alguns planos, algumas promessas. E a sensação de bem estar só aumentou, junto com as expectativas. Nesta convivência intensa, de quase todos os dias, percebi o quanto sou difícil de conviver. Esse moço, pessoa especial, talvez seja mais especial ainda, porque no exercício da convivência, onde nem sempre eu percebo alguns dos meus erros, eles me são apontados por ele, e em uma atividade conjunta e cotidiana, nos colocamos a analisar causas e consequências de tais erros. E venho procurando diminuí-los, extingui-los. Também essa pessoa, especial também por isso, se permite a fazer o mesmo exercício com seus erros, apontados por mim, ou as vezes reconhecidos antes que eu os aponte. É como se procurássemos, juntos, nos melhorar, não apenas em função do outro, mas em função da nossa própria evolução. Vejo essa relação especial como uma experiência evolutiva. Por conta desse maravilhoso relacionamento,  e por  tudo que  causa em nossas vidas, eu me vejo um ser humano melhor. Gosto mais de mim, dessa Ale, que cresce, que se torna alguém mais leve...