quinta-feira, 3 de março de 2011

Fim de mais um ciclo



Eu ainda lembro como fiquei feliz quando encontrei o apartamento em Vila Laura: pequeno, bonito, prédio com garagem coberta, portão eletrônico, condomínio que não pe$ava tanto, com gás encanado, internet, perto de tudo. Sentia que a espiritualidade estava antenada com as minhas necessidades. Era uma resposta do universo para minhas querências: queria ter um cantinho para descansar nos finais de semana, quando levava Arthur para ficar com o pai, em Brotas.
E arrumei o ap com a dedicação de quem tem ali um refúgio. Lugar para ler, planejar aulas, estudar, receber irmãos, quando precisavam vir a SSA ou amigos, para bater papo, um jantarzinho _ hora de demonstrar meus dotes culinários (Sodake e July, Lameska, Mariana, Aline, João, Wille foram minhas vítimas...)
Canto para navegar na internet ou apenas dormir depois das idas ao cinema, teatro, Pelourinho, Barra, enfim... era meu canto na capital.
Menos de dois anos e lá vou eu, fechando mais um ciclo. Vejo as paredes nuas, tudo encaixotado, um trabalho daqueles, solitário, de quem encaixota a vida.
Aproveitando pra jogar fora coisas que não usei neste tempo de ap, doando aquilo que sei que terá mais serventia para outras pessoas.

Eu já fechei tantos ciclos (de Itabuna para Cuiabá, de Cuiabá para Campo Grande, de Campo Grande para o Rio, do Rio de volta pra Bahia - Juazeiro, Feira, Itabuna de novo, Cachoeira, Cruz das Almas, SSA - ap).
E estou chegando a conclusão que esses ciclos todos tem me permitido viver com menos, de forma mais clean, juntando menos, conservando os objetos no tempo da necessidade que eles tem em nossas vidas e percebendo que a cada nova morada, nasce uma nova moradora, mais antenada com minhas reais necessidades.