segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Coerência X cidadania

Ontem fui exercer meu direito (dever) de votar. Pelo voto, eu, cidadã comum, que paga impostos e recebe (?) o resultado da aplicação desses recursos pelo estado (segurança? educação? saúde?), emite uma opinião na escolha do próximo gestor do dinheiro público e dos rumos do país nas políticas públicas.
Desde que iniciei minha vida como eleitora eu nunca deixei de votar, exceto em uma única eleição na qual justifiquei por estar em viagem. Meu título pertenceu ao estado da Bahia e do Mato Grosso do Sul. Na Bahia ele já esteve em três cidades. Então eu sempre cumpri com meu dever, e encarei como um direito meu, poder opinar.
Nesta etapa de ontem, com Arthur por perto, ele que acompanhou eu marinar, esteve comigo na urna, observando este exercício cidadão, e  viu ontem eu clicar 17. 17, número do meu dia de aniversário. 17 que somado dá 8, o número do infinito, porque naquele momento eu desejei que, quem ganhasse, tivesse sabedoria, ética, postura crítica, compromisso e coragem para mudar de verdade esse Brasil. E logo depois que o 17 foi digitado  apareceu 'voto anulado, confirma?' e aos olhos arregalados daquele menino, eu confirmei.
Ele sabia que não podia conversar mas assim que saímos da sala de votação, ele me questionou e falei para ele de coerência para comigo, de verdade para comigo. Eu não confio em nenhuma das duas propostas que estavam em jogo e falei que eu não me sentia com vontade de opinar. Fiz meu dever: fui à urna, recebi meu comprovante. Mas abri mão do meu direito, porque ali não me senti representada.
Ele me olhou e disse: é mamãe, precisamos mesmo ser verdadeiros com a gente.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Dia da criança para não esquecer jamais

Teve presente, claro que teve. Na luta para fugir dos eletrônicos e dos games, dei um livro sobre música, muito interessante, que faz um apanhado dos ritmos mais importantes ao longo da História e veio com um CD composto de trechos que representam bem esses estilos.
Mas eu queria marcar o dia. Então eu o convidei para irmos à Fonte Nova ver o BAÊA. Primeiro jogo da vida dele  na Arena, e ele me abraçava, e me abraçava e dizia 'mamãe, tô muito feliz'. O time perdeu de 1 a 0 para Chapecoense, mas chegamos a conclusão que o Bahia jogou melhor, só não conseguia finalizar em gols. Então ele saiu sorrindo, sem nem abalar com o fato do time estar indo direto para zona de rebaixamento. E eu também saí contente, descobrindo que Dia das Crianças, esta data tão comercial, tem formas e jeitos de presentear sem ter que se render ao consumismo...

sábado, 4 de outubro de 2014

Lá vou eu Marinar

Eu oPTei a vida toda. Um dia a felicidade aconteceu. Eu estava grávida ainda e escrevi no diário Cartas para meu filho (que comecei a escrever quando soube da gravidez), que Arthur chegaria em um novo país. Comandado pelo homem que eu admirava. Eu estava tão cheia de esperanças. E parte delas se tornaram realidade. Eu vi o interior ganhar universidades, que se encheram de gente que antes não tinha oportunidades. Faço parte de um time (de professores e técnicos) que trabalha com adversidades mil, recebendo estudantes com um déficit de conteúdo, ortografia sofrível, coesão e coerência comprometidos, mas que, acima de tudo, querem oportunidades e conseguem, na luta e na raça, dar conta da vida acadêmica. Acho que só por este fato, valeu oPTar. Claro que vi coisas boas na área social, econômica e humana. E sei que sem Lula estaríamos detonados.
Sem opção eu votei em Dilma. Contra ela, nada. Ao contrário. Seu passado à avaliza. Mas já não acreditava no PT, já me envergonhava das declarações de cegueiras éticas, já temia que meus heróis políticos haviam sucumbido ao poder. E as reformas não vieram. O clamor nas ruas, a violência crescente, a corrupção, o caixa dois, os escândalos...
E agora a desconstrução que o PT tentou fazer da Marina foi cruel. Isso me deu ainda mais tristeza, porque meu ideal político com o PT morreu de vez.
Quero alternar.
Vou Marinar.

domingo, 21 de setembro de 2014

'Acho que esse é meu primeiro concurso público, mamãe!'

Esta foi a frase que meu filho exclamou ao participar de uma etapa da seleção para estudar no Colégio Militar de Salvador, do Exército Brasileiro. A sensação que meu pequeno teve eu também tive, ao ficar aguardando por ele, na área interna da instituição. A quantidade de inscritos, o número de vagas e a percepção da importância daquela seleção me fizeram analisar o processo sob diversos ângulos. 
No site da instituição, o número oficial de inscritos foi 1.295 para 30 vagas. A quantidade de pais aguardando os filhos fazerem a prova de matemática, dessa primeira etapa, era enorme! Penso que não houve muitas desistências, já que quantidade de crianças que foram terminando a prova, realmente demonstraram que eram muitas, naquele processo seletivo.






Fiquei conversando com um engenheiro elétrico, formado na UFBA, cuja esposa era professora universitária como eu,  e também com uma senhora cuja filha, de 9 anos, estava tentando pela primeira vez, e de acordo com ela, a menina tentaria nos próximos dois anos caso não passasse agora. 
Antes de conversar com eles, ouvi algumas conversas por onde passei e o teor era sempre o mesmo: Pais buscando reduzir custos com educação, que acreditavam que ali  o filho estudaria em local com disciplina (aliás foi o que mais escutei) e que receberia conteúdo de verdade,  e que ao final teria condições de adentrar uma universidade de qualidade quando o ensino fundamental e médio acabassem. 
Tudo ali me remetia a uma série de pensamentos: o quanto estamos carentes de boas escolas; o quanto estamos tentando resgatar conceitos de limite e disciplina; o quanto estamos sedentos por educação de nossas crianças com preço justo. Muitos pais tem feito sacrifícios para manter filhos em escolas particulares, independente de quanto custam, o fato é que todo mundo tem fugido o quanto pode do ensino público comum.
Ouvi gente relatando que seus filhos tinham feito cursos preparatórios de meses para aquela seleção.
Meu filhote também recebeu reforço. Nos últimos três meses recebeu aulas extras de matemática.
Algumas vezes sentei com ele para fazer simulados dos testes dos anos anteriores. Provas cheias de pegadinhas, que exigiam concentração, interpretação e lógica.
Meu menino da geração 'tudo-ao-mesmo-tempo-aqui-e-agora' demonstrava pouco foco, concentração e tudo muito no sentimento 'obrigação'. Mas a escolha foi dele, já que é escoteiro há um ano e penso que o militarismo o atraiu.
Claro que, como pais em busca desse custo/benefício já atestado acima, nós o incentivamos, mas deixamos claro que nada mudaria caso não passasse, pois escola de qualidade é uma das prerrogativas para quem só tem um único filho e conseguiu um padrão mediano de qualidade de vida pelo estudo, como eu e o pai dele.
Pois bem, de tudo o que ensinamos nesse processo, muito me surpreendeu o quanto ele foi responsável e conseguiu administrar bem o tempo da prova. Finalizou tudo às 11h da manhã, com duas horas de prova (eram até três horas), mas permaneceu na sala, porque queria a prova e os rascunhos e só quem ficasse até o final teria esse direito. Às 9:45h  muitas crianças já  haviam entregue a prova e desciam para o pátio.
Trouxe a prova e consigo a possibilidade de conferirmos assim que o gabarito fosse divulgado. Eram 13h quando abrimos o site e toda a esperança dele se diluiu... não conseguiu acertar 50% da prova, para ir para a segunda etapa, a de Língua Portuguesa. Ficou triste em um primeiro momento, depois pareceu relaxar.
Sei que a vida do meu menino vai continuar a mesma. Mas fiquei com uma sensação de que ele perdeu muito por não conseguir entrar naquela instituição. Mas sei que a peneira  foi enorme. E depois de ver a prova, percebi que interpretação, lógica e foco foram o que realmente eliminaram meu filho... não a matemática.
Sei ainda que quem perde mesmo é a sociedade brasileira, ao termos tão poucas opções de ter um ensino de qualidade para todos, com respeito institucional, já que escola virou palco de problemas e violência.

   

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Um ano de nova morada

Casa. Moradia. Lar... eu precisava resgatar as minhas relações com esse espaço.
Há anos vivia dilemas com o local escolhido para morar...
Vamos voltar no tempo. Moradia sempre foi problema na minha história de vida. Aos sete anos, muito menina ainda, lembro-me de um lindo apartamento (soube depois que era financiado), todos comendo em volta da mesa, meu pai avisa a minha mãe que vendeu o apartamento e seríamos obrigados a mudar e morar de aluguel. Tinha bons amigos naquele lugar (Aldrin e Ro, Tita e suas irmãs, Maruse e Carlesson, entre tantos outros). Lembro da minha mãe engasgar. E dela ficar muito triste. Anos depois soube que meu pai jogava  cartas e de ter perdido o apartamento no jogo. Perda da casa. Primeira referência de perda do lugar agradável. Mudamos. Aluguel. Uma casa grande, porém velha, em rua que sofria com enchentes e um dia acordei com minha mãe nos tirando da cama, em pânico, porque a água estava beirando o estrado. Ela disse ao meu pai que não ia admitir mais um susto daquele. Ele comprou um terreno em bairro super distante e resultado, lá fomos nós morar em local complicado de acesso. Longe de amigos, de primos. Meu pai faliu de vez. Vendeu carro. Ficávamos duas horas em pontos de ônibus para ir e voltar da escola. Os amigos iam pouco em nossa casa. Tudo era complicado. Tinha que dormir na casa das amigas se tivesse uma festinha para ir, porque não dava para sair à noite. Isso dos nove aos dezenove anos. Uma relação de ódio com aquela moradia, onde a casa era confortável e o bairro era um inferno.
Aos 20 anos, quando conseguimos convencer minha mãe a voltar ao aluguel, fomos morar em casa pequena, mas bem localizada. Mas as paredes eram coladas uma casa na outra e dava para ouvir tudo o que os vizinhos faziam e ouviam. Odiava aquilo.
Aos 22 fui morar em Cuiabá. Bairro distante. Não conhecia a cidade. Engordei dez quilos em três meses, trancada dentro de apartamento pequeno, sem varanda, em cidade que eu não dava conta de andar só, quente e complicada.  Com seis meses o destino foi um local central, em apartamento bom, bem dividido, prédio com piscina e eu voltei a sentir prazer de morar.
Mas seguindo um noivo que pediu transferência, lá fui eu para Campo Grande, morar em casa velha novamente, tendo que conviver o tempo inteiro querendo reforma.
De volta à Bahia, Juazeiro, salário curto demais, fui morar em casa nova em bairro distante. Novamente a música da vizinhança me incomodava.
De volta à Itabuna,  para a casa que construí e sonhei envelhecer, acho que foi o período mais tranquilo de moradia, mas com a chegada de Arthur, a necessidade de uni-lo ao pai, largo eu mais uma vez meu sonho de casa e no interior, depois de penar em três alugueis, consigo comprar uma casa em Cruz das Almas. Boa, grande, porém em bairro distante (em frente ao estádio da cidade, perto da BR 101). Rua de lama na chuva, de poeira na seca e sempre, sempre, isolada.
Fugindo dessa solidão, vim para Salvador, no esquema dias no interior, finais de semana na capital, desta vez em Stella Maris, para mais uma vez, aproximar Arthur do pai. E eu, isolada. Em uma casa com vizinhança mais uma vez com música alta e que não combinava comigo.
Até que... Barra!!!!
Um ano de Barra. Prédio velho. Apartamento velho, mas amplo. Uma reforma de formiguinha. Que não terminou, mas que já tem me deixado feliz, porque consegui me livrar do que estava sujo e feio.
Um ano de andanças à pé. Um ano de mar perto, de mercado perto, de restaurantes e calçadão perto.
Um ano onde chego em casa sabendo que não tenho vizinhos que incomodam.
Mas para isso tive que deixar Arthur mais com o pai e ver meu filho apenas nos finais de semana.
Mas ele já tem 11. E eu precisava mesmo resolver essas pendências de moradia. Porque se nossa casa é nosso castelo, eu era uma rainha revoltada no meu, até então. É claro que meu amor me influenciou a vir morar no bairro em que ele morava. Havia um sentido em estar mais perto dele. Mas sem dúvida, estar na Barra é estar onde há uma das maiores qualidades de vida nesta cidade ingrata que é Salvador.
Hoje sinto meu território como ninho e cada vez mais reafirmo a necessidade de morar onde nos sentimos bem para compensar todo o esforço do dia a dia.
Agradeço ao universo esse desfecho. Eu resolvi uma pendência de uma vida inteira!

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Yumara 80 anos... meu pedacinho de ancestralidade familiar

Desde pequena escutava meu pai e minha avó falarem dela: 'sua tia Yumara... sua tia atriz... a peça Apareceu a Margarida, em que a sua tia estava ótima... sua tia é uma atriz premiada...' e por aí vai. E sei lá porque, cargas d'água, ninguém, ninguém, nem pai, nem avó, nunca fizeram a ponte. Até 2010, quando tia Nydia me ligou e disse: 'sua tia Yumara está com peça em cartaz, você quer ir comigo?' Não pensei duas vezes!!!!
A peça era 'O Monstro', um roteiro criado especialmente para mostrar todas as obras em que ela atuou e todas as personagens que Yumara Rodrigues construiu.
Na vida real, Yumara, cujo nome real é Lígia Lins, foi uma mulher que deixou uma família e uma situação confortável e segura, na pequena Conde, para viver seus sonhos, e fez do teatro seu palco de vida. Não casou porque sempre que se apaixonou, foi questionada sobre largar o teatro caso abraçasse o casamento. Casou com o Teatro. Foi premiada várias vezes. O Governo da Bahia, em reconhecimento ao talento dela, homenageou-a com livro e documentário. E uma edição primorosa, que ganhei e fiquei super feliz quando fui visitá-la. Ganhei ainda uma molheira que pertenceu ao pai dela, a molheira do meu bisavô.




Essa mulher considerada 'dama do teatro baiano', tem em seu currículo uma experiência maravilhosa da arte cênica, e só por ter um dedinho de sangue de artista nas veias, penso que minha paixão pela atuação pode ter sido um traço herdado dela. Pois bem, hoje é dia de Yumara. 80 anos.

 Uma vida inteira de histórias ricas, muitas ligadas ao Teatro e outras tantas da vida familiar e das histórias de meu bisavô, pai de meu avô João, que muito estimava e convivi até meus 17 anos. Eu, sobrinha neta do interior, que também sempre fui apaixonada por teatro, e adoro histórias orais familiares,  tentando resgatar um pouco dessa convivência que não aconteceu antes.
Yumara é uma mulher de vanguarda. E sabendo um pouco mais de sua história, eu sinto um orgulho imenso de ser da família dela e sinto ainda uma identificação... pensei logo ' devo ter puxado alguma coisinha dessa guerreira'...




domingo, 24 de agosto de 2014

Reencontro com a adolescência

Um palco, músicas e duas bandas... e um reencontro com meu passado. Ontem vi BLITZ e RPM e viajei no tempo...
Meu primeiro encontro com a RPM foi em meados dos anos 80. A primeira vez que vi um show tecnológico... tinha até raio laser!!!
Mas esse show de ontem foi especial porque no primeiro, aos 17 anos, lá estava eu com meu primeiro namoradinho. E no de ontem, lá estava eu com meu amado, que me disse ao ouvido: ' estás com o eterno namorado agora'.