sábado, 4 de outubro de 2014

Lá vou eu Marinar

Eu oPTei a vida toda. Um dia a felicidade aconteceu. Eu estava grávida ainda e escrevi no diário Cartas para meu filho (que comecei a escrever quando soube da gravidez), que Arthur chegaria em um novo país. Comandado pelo homem que eu admirava. Eu estava tão cheia de esperanças. E parte delas se tornaram realidade. Eu vi o interior ganhar universidades, que se encheram de gente que antes não tinha oportunidades. Faço parte de um time (de professores e técnicos) que trabalha com adversidades mil, recebendo estudantes com um déficit de conteúdo, ortografia sofrível, coesão e coerência comprometidos, mas que, acima de tudo, querem oportunidades e conseguem, na luta e na raça, dar conta da vida acadêmica. Acho que só por este fato, valeu oPTar. Claro que vi coisas boas na área social, econômica e humana. E sei que sem Lula estaríamos detonados.
Sem opção eu votei em Dilma. Contra ela, nada. Ao contrário. Seu passado à avaliza. Mas já não acreditava no PT, já me envergonhava das declarações de cegueiras éticas, já temia que meus heróis políticos haviam sucumbido ao poder. E as reformas não vieram. O clamor nas ruas, a violência crescente, a corrupção, o caixa dois, os escândalos...
E agora a desconstrução que o PT tentou fazer da Marina foi cruel. Isso me deu ainda mais tristeza, porque meu ideal político com o PT morreu de vez.
Quero alternar.
Vou Marinar.

Um comentário:

Anabel Mascarenhas disse...

Minha história é bem semelhante. Meu primeiro voto foi pra Lula, em 89. Minha filha com 1 aninho cantava "lula lá, brilha uma estrela..." e eu ainda acreditava. Lula não levou em 89, e de lá pra cá a decepção foi chegando, primeiro aos poucos, depois dicumforça.
Hoje, também Marinei.